São Sebastião serviços públicos

Servidores aguardam informações da prefeitura sobre reivindicações

Sindserv fará assembleias em Boiçucanga, Enseada e Centro, nos dias 19, 20 e 21

 A diretoria do Sindserv (Sindicato dos Servidores Públicos Municipais) de São Sebastião aguarda, nesta quarta(13), respostas da prefeitura sobre as reivindicações feitas pela categoria, que ontem, realizou uma paralisação em frente ao paço municipal cobrando reajustes salariais.

Cerca de 200 servidores participaram do ato, que segundo a prefeitura, não teria prejudicado serviços públicos. O sindserv não conseguiu conversar com o prefeito Felipe Augusto, que se encontrava na capital, onde teria ido assinar convênios com o Estado.

A diretoria do sindserv foi informada pelos secretários municipais que ainda estão realizando os estudos de impacto orçamentário e que irão reunir todos os setores envolvidos nesta quarta (13) para definir um prazo para o término da avaliação, que deve ser informado ao Sindicato no mesmo dia. Ainda declararam que somente com estes dados podem determinar um possível reajuste salarial.

Após deixarem o paço, os manifestantes percorreram as principais ruas do centro e se concentraram em frente a Igreja Matriz, onde em assembleia, definiram os próximos passos do movimento.

Os funcionários públicos aprovaram a realização de assembleias nas três sedes do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de São Sebastião (Sindserv) nos dias 19 (Boiçucanga), 20 (Enseada) e 21 de junho (Centro), com segunda chamada às 18h.

De acordo com a entidade sindical, os trabalhadores estão em Estado de Greve desde abril e lutam pelo reajuste salarial que deveria ser efetuado em maio, de acordo com a Lei 146/2011 (Estatuto do Servidor).

De acordo com a diretoria do Sindserv, a pauta de reivindicações da categoria foi protocolada em março, onde os servidores cobram a reposição salarial, o reajuste dos vales alimentação e refeição e melhores condições de trabalho.

Desde o início da Campanha, antes da paralisação desta terça (12), foram realizadas três assembleias e dois atos públicos em defesa dos direitos dos servidores, com protesto pelas principais ruas do Centro, sendo que em 15 de maio, os trabalhadores ainda ocuparam a Câmara Municipal munidos de faixas para reivindicar o apoio dos vereadores à categoria.

“Somos mais de 3 mil trabalhadores e os funcionários públicos não pode ficar no prejuízo. Parabenizo todos os servidores que participaram da paralisação e destaco que seguimos na luta, cada vez mais unidos e mais fortes. Queremos que o prefeito cumpra as promessas de campanha e esta é a segunda vez que em reunião nos falam que estão fazendo estudos. Data-base do servidor é maio todos os anos”, destaca a presidente do Sindserv, Audrei Guatura.

Reivindicações

O índice de reajuste salarial se refere a 3,5% (índice inflacionário de acordo com a reposição do funcionalismo público estadual este ano), mais 5% (reposição das perdas salariais de 20% escalonadas em quatro anos em 2017), 2,5% (antecipação da metade das perdas que seriam pagas em Ano Eleitoral) e 9,5% de ganho real.

Já a reivindicação dos vales seguem índices de instituições como o do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), no caso da Alimentação, onde cobram o reajuste de R$ 137,33, e da Associação das Empresas de Refeição e Alimentação Convênio para o Trabalhador (Assert), para aumento de R$ 12,48 no valor da Refeição.

A categoria também pleiteia que o reajuste do Vale Alimentação seja extensivo a todos os trabalhadores e do Vale Refeição seja estendido aos professores, aos servidores que trabalham em escala e à Fundação de Saúde Pública de São Sebastião.

Segundo o Sindserv, entre as lutas dos servidores está o fim do assédio moral; que todos os servidores tenham Equipamentos de Proteção Individual (EPI’s); uniformes e identificações adequadas; pagamento dos adicionais de insalubridade, periculosidade e risco atividade; transparência nas contas do Fundo de Aposentadoria e Pensões dos Servidores de São Sebastião (Faps), criação do Plano de Cargos, Carreira e Salários (PCCS) e implantação dos estatutos do Magistério e da Guarda Civil Municipal (GCM), de acordo com Lei Federal.

 

Deixe um Comentário

O Tamoios News isenta-se completamente de qualquer responsabilidade sobre os comentários publicados. Os comentários são de inteira responsabilidade do usuário (leitor) que o publica.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.