Caraguatatuba Cultura

Jovens bailarinas de Caraguá fazem “vaquinha” para dançar no exterior

Divulgação

As duas jovens conquistaram vaga para uma disputa em Berlim e agora buscam apoio para realizaram o sonho de seguir em frente na dança

Por Ricardo Hiar, de Caraguatatuba

Duas jovens bailarinas de Caraguatatuba estão batalhando para colocar em prática um sonho que vem desde a infância: se apresentar fora do país e ingressar numa grande companhia de ballet.

Na corrida atrás desse objetivo, elas resolveram participar de um festival de dança em São Paulo, que garantiria vagas para um torneio em Berlim, na Alemanha. O resultado foi positivo e as nove horas diárias de ensaios que as duas mantêm, valeram a pena: foram selecionadas e ficaram entre as melhores dançarinas da competição.

Apesar disso, esse sonho corre riscos por conta de questões financeiras. A viagem precisa ser arcada pelas próprias dançarinas, que não possuem tais condições – segundo estimativa dos organizadores, são necessários cerca de R$ 12 mil.

Para tentar conquistar essa meta, as duas garotas falaram com familiares e amigos e iniciaram uma campanha pessoal e pelas redes sociais. As duas têm percorrido comércios, na esperança de conquistarem patrocínio e o apoio local. Também criaram uma “vaquinha” na internet, onde qualquer pessoa pode contribuir, com o valor que puder. Para ajudar, basta acessar https://www.vakinha.com.br/vaquinha/bailarinas-brasileiras-em-berlim.

De acordo com Samantha, as duas integram o Ballet Municipal de Caraguatatuba e também o Corpo de Baile. Como elas já possuí

am um trabalho em conjunto produzido, resolveram aprimorá-lo para poder participar dessa edição do festival em São Paulo, que reuniu mais de 300 dançarinos de todo o país. Segundo explicou, o evento foi uma espécie de “olimpíada” da dança e com alto grau de exigência.

Divulgação

Divulgação

A jovem conta que apesar de todo o empenho, estava com receio e achava que talvez não fosse selecionada. “Foi uma boa surpresa quando saiu o resultado e ficamos entre os os melhores do Brasil”, comentou.

A próxima etapa, no exterior, reunirá dançarinos de várias partes do mundo. Entre os prêmios da competição, estão bolsas de estudos em renomadas escolas de dança na Alemanha e outras partes da Europa. Conseguir uma vaga numa dessas escolas é o grande objetivo das duas caraguatatubenses.

Samantha, que mora no Jardim Gaivotas, dança desde os 3 anos. Ysadora, moradora do Travessão, iniciou sua trajetória no ballet aos 5. Ambas nunca saíram do Brasil. Depois do resultado do festival em São Paulo, ela já promoveram uma rifa e conseguiram o valor para custear o passaporte.

O primeiro contato com a dança ocorreu nas escolas da Fundacc (Fundação Educacional e Cultura de Caraguatatuba). Apesar disso, conforme explicam, é difícil conseguir o apoio financeiro do Poder Público para viagens e outras atividades do gênero.

“Quero muito ir e vamos batalhar para conseguir apoio e realizar esse sonho. A princípio, quero ingressar numa grande companhia e essa experiência fora do país pode ajudar muito nisso”, concluiu.

Quem quiser contribuir com as duas jovens, pode entrar também em contato pelos seguintes telefones: (12) 99652-1012, com Ysadora; (12) 99602-8136 com Samantha; ou (12) 98229-4416, com Cristina Neves.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.