Caraguatatuba Cidades

Vereador preso na Operação “Código de Ética” mantém cargo, assessores e salários

TJ nega soltura de Flávio Nishiyama. Foto: Reprodução/ Arquivo Pessoal

O vereador de Caraguatatuba, Flávio Nishiyama(PTB),  continuará no cargo e recebendo seus subsídios, de cerca de R$ 8 mil mensais, durante o período em que permanecer na penitenciária de Tremembé, no Vale do Paraíba. A prisão preventiva decretada pela justiça é por tempo indeterminado.

Nishiyama foi preso na terça-feira (11), durante a Operação Código de Ética, deflagrada pelo Ministério Público, Polícia Federal, Polícia Civil e Polícia Militar para combater o tráfico de drogas na região.

Vereador e advogado, Nishiyama foi denunciado por suposta associação criminosa e caso seja condenado poderá pegar até 8 anos de prisão. Seu suposto envolvimento com uma organização criminosa foi denunciada em delação premiada feita à justiça por um traficante preso. Não conseguimos contato com seus advogados.

Eleito com 1.129 votos em 2016, Nishiyama havia deixado em abril o cargo de secretário municipal de Esportes para concorrer à reeleição. Sua prisão teria surpreendido os colegas do legislativo.

O presidente da Câmara Municipal, de Caraguatatuba, vereador Carlinhos da Farmácia, afirmou que ficou surpreso com a prisão do colega. “Sua prisão foi uma surpresa para todos. É um bom vereador”, disse Carlinhos.

Presidente da Câmara, vereador Carlinhos da Farmácia

Segundo Carlinhos, o vereador preso não corre o risco de perder o cargo. “Isso só poderia ocorrer em caso de uma possível condenação”, adiantou.

Nishiyama também não será substituído pelo suplente, Valmir Tavares, durante o período que permanecer preso e ausente das sessões.

“Não tem como a Câmara bancar os subsídios dos dois vereadores, Nishiyama e Tavares. Vamos permanecer com 14 vereadores”, afirmou Carlinhos. Segundo ele, a Câmara continuará cobrindo as despesas do gabinete e dos assessores de Nishiyama.

Carlinhos confirmou que a Polícia Federal esteve na Câmara na terça-feira(11), mas fazendo busca e apreensão no gabinete de Nishiyama, que fica em outro prédio, anexo ao do legislativo.

Segundo ele, diante dos fatos noticiados que envolvem a vida privativa do vereador Flavio Nishiyama, a Câmara Municipal aguardará o desenrolar das apurações e irá colaborar quando solicitado pelas autoridades policiais.

Matéria atualizada dia 16/08/2020 às 17H20